top of page

ANÁLISE ZEUS - DEZEMBRO 2022

REGISTROS DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURAS DO MÊS DE NOVEMBRO DE 2022

Fig 1. Climatologia da precipitação para o mês de novembro.

Em novembro o padrão chuvoso se torna mais estabelecido sobre o interior do País, numa faixa que se estende desde a Região Norte, passando pelo Centro-Oeste, Tocantins e atingindo parte do Sudeste, areas em azul. Sobre a Fronteira agrícola do Matopiba, a chuva começa a retornar de maneira gradativa. Sobre a região Sul e partes ao sul das Regiões Sudeste e Centro-oeste, as chuvas ainda são irregulares e com volumes menores. Entretanto, os volumes são ainda menores sobre a porção ao norte das regiões Norte e Nordeste, áreas em tons de vermelho e branco da figura 4, onde temos a estação seca nesta época.


ANOMALIA DE PRECIPITAÇÃO REGISTRADA EM NOVEMBRO DE 2022


Em novembro as chuvas ocorreram de forma mais consistente pelas Regiões Norte e Nordeste, enquanto o Centro-Sul do país teve volumes bem abaixo da média, característica de influência do fenômeno La Niña.


O Nordeste do Brasil foi favorecido com chuvas acima da média ao longo de novembro, como pode ser visto pelas áreas em azul no mapa, mesma condição observada na Região Norte, com exceção do Acre e alguns pontos no Amazonas, Pará e Tocantins, com destaque para a região entre o Tocantins e o Maranhão com volume superior a 300 mm acima da média.


Em contrapartida, o Centro-Oeste foi a região com chuvas que mais ficaram abaixo do normal, com áreas registrando até 200 mm a menos em boa parte do Mato Grosso, sul de Goiás e em alguns pontos do Mato Grosso do Sul. No Sudeste o Triângulo Mineiro e alguns pontos do estado de São Paulo figuram como as áreas mais impactadas, podendo totalizar até 200 mm com chuvas abaixo da média. Embora a Região tenha ficado, de modo geral, com volumes mais baixos, o norte de Minas Gerais e a faixa litorânea dos demais estados receberam chuvas próximas ou até acima da média, situação similar à vista no Sul do Brasil, onde o litoral da Região e áreas à oeste do Paraná ficaram dentro ou acima da média, mas a maior parte da Região finalizou o mês com até 100 mm de chuva a menos que o normal.


Fig. 2 Anomalia da precipitação acumulada em novembro de 2022. Fonte: CPTEC

TEMPERATURAS REGISTRADAS EM NOVEMBRO DE 2022


Novembro foi marcado por um episódio de frio atípico, o que ocasionou temperaturas bastante frias para a época do ano. Nota-se no mapa de anomalia de temperatura mínima que o Centro-Sul do Brasil teve valores abaixo da média, principalmente entre o Mato Grosso e o Mato Grosso do Sul, pontos de São Paulo, Paraná e Santa Catarina, sendo de até 4°C mais frio na média. Outra parte do Brasil com temperaturas abaixo do normal foi no estado do Acre, em função da massa de ar frio que avançou pelo país provocando o fenômeno conhecido como friagem, provocando temperaturas mínimas de até 4°C abaixo da média.


As temperaturas máximas também ficaram abaixo da média na parte do país, principalmente entre Santa Catarina e o Paraná, onde tiveram vários dias nublados no início do mês, e no Matopiba, em função da nebulosidade que se manteve ativa por vários dias contribuindo para amenizar as temperaturas mais elevados no período da tarde.


Fig. 3. (a) Anomalia da temperatura mínima do mês de novembro de 2022 e (b) anomalia da temperatura mínima do mês de novembro de 2022. Fonte: CPTEC



NIVEIS DE UMIDADE NO SOLO

Fig. 4 . Disponibilidade de água no solo. Fonte: Agritempo.

Os últimos dias do mês de novembro foram marcados por muitas chuvas nas áreas do interior do MATOPIBA, favorecendo altos níveis de umidade na região. Especialmente para as regiões produtoras do oeste Baiano, Tocantins, sul do Pará e no norte do Mato Grosso, a umidade do solo atingiu níveis acima de 90%, como é observado nas áreas em tons de azul mais escuro da figura. A situação foi parecida também para importantes regiões produtoras de MG e na faixa leste das Regiões Sul e Sudeste. Porém, a irregularidade das chuvas também tem sido um fator preocupante em diversas áreas produtoras do País. Novembro de uma forma geral teve chuvas bastante irregulares, e nos últimos dias não foi diferente. Áreas produtoras de MT, GO e SP ficam com a umidade do solo abaixo dos 40%, como observamos nas áreas em amarelo e até em situações mais criticas, onde a umidade estava em valores próximos dos 20%, regiões em vermelho. Na demais porções do Brasil os últimos dias de novembro até contaram com alguns episódios de chuva, o que favoreceu a umidade em torno dos 50-60%, áreas em verde.


PREVISÃO DO TEMPO DE 03 A 16 DE DEZEMBBRO DE 2022

PRIMEIRA QUINZENA DE DEZEMBRO COM CHUVAS EXPRESSIVAS EM IMPORTANTES REGIÕES PRODUTORAS.


No primeiro período, de 03 a 07 de dezembro teremos o avanço de novas áreas de instabilidades pelo sul do País que vão contribuir com chuvas intensas entre parte da Região Sul, MS e principalmente entre as Regiões Sudeste e Centro oeste, devido ao estabelecimento de um corredor de umidade no interior do Brasil . Os maiores volumes de chuva são esperados para áreas de SP, sul de MG, Triangulo Mineiro, sul de GO, nordeste de MS e pontos entre MT e RO, como observamos nas regiões em tons de azul mais escuro da figura 5a. Neste período as instabilidades também diminuem sobre o interior do MATOPIBA e se concentram preferencialmente nas regiões mais centrais do País.

Para o segundo período a chuva mais intensa e frequente novamente se concentra sobre o norte de SP e de MS, MG e GO, como é observado nas áreas em tons de azul mais escuro da figura 5b. Nas demais regiões produtoras do Brasil também são esperadas chuvas no período, porém nestas localidades a expectativa é para chuvas mais ao final do dia, na forma de pancadas típicas de verão. Ainda neste período volta a chover de forma isolada em pontos da Região Sul, especialmente no RS.

Entre os dias 13 e 16 de dezembro a previsão indica uma persistência de instabilidades sobre as áreas produtoras do norte de SP, MG, GO, sul de GO e sul da BA, indicando a presença de um corredor de umidade nesta região. Entre PR, MS e MT, região Norte e algumas áreas entre PI e MA também devem receber chuvas neste período, mas novamente as instabilidades devem ocorrer preferencialmente mais ao longo das tardes, associadas ao calor e umidade. Ainda neste período, as instabilidades perdem força e tem maior expectativa para tempo mais aberto entre o oeste de MT e MS, RS, SC e boa parte do interior Nordestino, nas áreas com fundo verde.


Fig. 5. Previsão da precipitação acumulada: (a) entre 03 e 07, (b) entre 08 e 12 (c) entre 13 e 16 de dezembro.

TEMPERATURAS EM ELEVAÇÃO NOS PROXIMOS 15 DIAS PARA O CENTRO SUL

Ao longo dos próximos períodos, com a proximidade do verão, o calor começa a ganhar força em grande parte do Brasil. Principalmente nas áreas do centro sul do Brasil, as temperaturas devem atingir valores extremos. Para áreas do oeste d MS e MT, centro oeste paulista, Triangulo Mineiro e Região Sul o período de 8 a 12 de dezembro devem contar com temperaturas que podem ficar em torno dos 40°C ou até mesmo ultrapassar, como é o caso das áreas no RS, onde a condição é para tempo mais seco nestes dias. No entanto, devido as chuvas previstas em importantes regiões produtoras do interior do Brasil, as temperaturas não devem subir tanto, conforme vemos nas áreas em tons de verde dos três mapas, que indicam temperaturas na casa dos 30°C, principalmente entre o primeiro e o segundo período. Já no ultimo período, as temperaturas já ficam mais uniformes e elevadas em todo interior do País, indicando a proximidade do verão e as chuvas de final de tarde associadas.


Fig. 6. Previsão da temperatura máxima: (a) entre 03 e 07, (b) entre 08 e 12 (c) entre 13 e 16 de dezembro.



CONFIRA TAMBÉM O ANÁLISE ZEUS




EQUIPE ZEUS

meteorologistas:

BRUNA PERON | bruna.peron@zeusagro.com

LANZOERQUES JÚNIOR | lanzoerques.silva@zeusagro.com


analista de relacionamento agronômico:

ANDRESSA GREGÓRIO | andressa.gregorio@zeusagro.com

LAURA ALVES BARBOSA | laura.barbosa@zeusagro.com

RAQUEL ANDRADE | raquelandrade@zeusagro.com


engenheiro agrônomo:

CARLOS SILVA NETO | carlos.neto@zeusagro.com


especialista de CS

MARCIA MEDEIROS | marcia.medeiros@zeusagro.com


designer gráfico:

FELIPE ARAUJO | felipe.araujo@zeusagro.com


revisão de conteúdo:

JULIANA CRISTINA DE OLIVEIRA | juliana.oliveira@zeusagro.com


216 visualizações
bottom of page